23/07/2010 16h46 - Atualizado em 23/07/2010 17h13

Bruno e Fernanda poderão ser indiciados, diz delegado

Laudo indica que sangue encontrado em colchão não é de Eliza, diz polícia.

Do G1, em São Paulo

O delegado Edson Moreira afirmou, nesta sexta-feira (23), que o goleiro Bruno de Souza e a suposta namorada dele, Fernanda Gomes de Castro, poderão ser indiciados pelo desaparecimento e suposta morte de Eliza Samudio.

Eliza teve um relacionamento com o goleiro. Ela despareceu no início de junho quando tentava provar, na Justiça, que o atleta era pai de seu filho.

Moreira afirmou que o goleiro Bruno de Souza poderá ser indiciado como mandante do crime. "O corpo infelizmente não foi localizado, mas temos provas imateriais de que ela está morta. As provas são fartas", disse. "Quem falar que Eliza está viva está com alucinação, porque Eliza está morta. Quem escondeu o corpo escondeu bem escondido.

Segundo Moreira, Fernanda também está sendo investigada. Ela esteve no Departamento de Investigações  em Belo Horizonte nesta semana.  "A versão dela só corroborou nossa investigação. Vamos analisar mais profundamente, mas possivelmente será indiciada. Ela encontrou com a Eliza na casa do Bruno. Ela colocou a camiseta na cara para não ser reconhecida pela Eliza", diz.

O delegado informou que pretende manter Bruno preso. "Quando for vencer o prazo, nós vamos prorrogar a prisão", disse.

Moreira afirma que o inquérito não será encerrado em 30 dias. "Vou precisar de mais prazo até a chegada dos laudos", afirmou.

Ele afirma que será feita uma acareação com os envolvidos assim que o juiz autorizar.

Sangue no colchão
Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil, o resultado do exame do sangue encontrado em um colchão no sítio do goleiro Bruno, em Esmeraldas (MG), indica que o sangue realmente é humano e de uma mulher, mas não pertence a Eliza.

O delegado afirmou que não havia nada no colchão quando a polícia esteve no sítio pela primeira vez. Depois, quando voltaram ao imóvel, havia uma mancha enorme.

"Para se entrar no domicilio dos outros, precisa de mandado judicial, a investigação evolui, tem continuidade. Foi feita primeira busca e apreensão e depois foi realizada outra", disse o delegado.

 

PMs pediram R$10 mil para liberar carro, diz pai de atropelador de Rafael

Ele contou que chegou a pagar mil reais aos policiais.
Filho de 18 anos da atriz Cissa Guimarães morreu na terça-feira.

Do G1, com informações do Jornal Nacional

O pai do jovem que admitiu ter atropelado Rafael Mascarenhas, filho da atriz Cissa Guimarães, disse nesta sexta-feira (23) em depoimento que os policiais que liberaram seu filho pediram R$ 10 mil em proprina. O depoimento durou seis horas. Roberto Bussamra conta que após a abordagem policial, o grupo parou em um posto de gasolina no bairro da gávea.

Veja o site do Jornal Nacional

Ele foi chamado ao local. Os PMs exigiram R$ 10 mil para liberar os rapazes que atropelaram Rafael. Como não tinha o dinheiro na hora, Roberto Bussamra combinou de pagar a quantia na manhã seguinte, na praça mauá no centro do Rio de Janeiro.

Ao se encontrar com os policiais, ele  inicalmente pagou mil reais. Mas durante o acerto recebeu um telefonema da mulher. Ela contou que a vítima do atropelamento era filho da atriz Cissa Guimarães -- e que e ele havia morrido. Roberto passou mal ao receber a notícia e foi retirado do carro por um dos filhos -- enquanto os policiais arrancavam com o dinheiro da propina.

O dono da oficina para onde foi levado o siena preto do jovem após o acidente diz que por volta de 4h30 o automóvel chegou de reboque. O pai e o irmão do motorista esperaram até 8h, quando a oficina abriu. O lanterneiro disse o pai do jovem pediu pressa no conserto porque precisava trabalhar com o carro.

Em três horas de conserto, o carro chegou a ser desmontado mas não houve tempo para que as peças danificadas fossem trocadas. O dono da oficina contou que, durante o serviço, recebeu um telefonema do pai do atropelador exigindo que parasse com urgência e que depois ele entenderia o porquê e que a perícia buscaria o veículo. O mecânico disse que teria visto vestígios de pele no carro. Depois de ter parado o trabalho, ele ouviu sobre o acidente no noticiário. 

Investigação

De acordo com a polícia, nenhum outro depoimento está previsto para acontecer nesta sexta-feira (23) e no fim de semana. Os agentes pretendem usar os próximos dois dias para avançar nas investigações.

A previsão é que os policiais militares que abordaram o carro que atropelou Rafael Mascarenhas sejam chamados a depor na próxima semana, mas a data ainda não foi definida. A polícia informou ainda que dificilmente o inquérito será encerrado na próxima semana. A polícia investiga se eles tentaram ocultar vestígios de acidente no carro que matou o jovem no Túnel Acústico, na Gávea, na Zona Sul do Rio, quando ele andava de skate.

Homenagem a Rafael

Rafael Mascarenhas recebeu uma homenagem dos amigos na noite de quinta-feira (22). Skates e rosas brancas foram reunidos em frente ao prédio onde Rafael morava com a mãe, na Gávea, na Zona Sul do Rio.

Uma foto do rapaz num show lembrou a paixão de Rafael pela música. Os dois jovens que andavam de skate junto com ele na madrugada do atropelamento se abraçaram com outros amigos.

PMs têm ficha exemplar

As fichas profissionais do sargento e do cabo da Polícia Militar, que liberaram o motorista que atropelou o músico Rafael Mascarenhas, apontam comportamento excepcional e ótimo durante o tempo em que eles estão na corporação. As informações são da assessoria de relações institucionais da PM.

Os policiais prestaram esclarecimentos à Corregedoria da PM sobre o episódio durante toda a manhã desta quinta-feira (22). De acordo com o comandante geral da Polícia Militar, coronel Mário Sérgio Duarte, os PMs voltaram a confirmar as declarações que constavam no boletim de ocorrência entregue à Polícia Civil. O sargento e o cabo foram afastados dos trabalhos nas ruas.

Carona prestou depoimento na quinta-feira

O estudante André, de 19 anos, que estava no carona do carro do motorista que confessou ter atropelado o músico Rafael Mascarenhas prestou depoimento na quinta-feira (22). Ele não quis falar com a imprensa.

O advogado dele, Paulo Márcio Ennes Klein - que não quis revelar o sobrenome do cliente -, informou que o jovem disse, no depoimento, que Rafael passou de skate, na frente do carro, saindo da direita para a esquerda, dentro do Túnel Acústico, que liga São Conrado à Gávea.

Segundo Paulo Klein, André negou, no depoimento, que ele e os amigos estivessem fazendo um pega dentro do Túnel Acústico. “Ele diz que o carro não estava correndo, mas que não sabe precisar em que velocidade estava. André contou que o carro chegou a frear antes do atropelamento”, disse o advogado. “Inclusive, o André estava sem o cinto de segurança. Não sou perito, mas acredito que, se o carro estivesse em alta velocidade, com o impacto, o André teria se machucado”, acrescentou.

 

'Eu já me sinto preso, só não estou numa cela', diz ex de Mércia

Em entrevista ao G1, Mizael fala em se entregar se Justiça decretar prisão.
Ele, que usa colete à prova de bala, quer que outros sejam investigados.

Kleber Tomaz Do G1 SP

“Eu já me sinto preso. A única diferença é que só não estou numa cela”, diz Mizael Bispo de Souza. É com essa frase que o advogado e policial militar reformado resume o sentimento de ser tratado como o principal suspeito de assassinar a ex-namorada, Mércia Nakashima. Em entrevista exclusiva ao G1, Mizael se disse obrigado a viver isolado e a usar um colete à prova de balas por causa de ameaças de morte.

Mizael corre também o risco de ser preso. A Polícia Civil paulista, que já o indiciou pelo crime, e o Ministério Público, que vai denunciá-lo à Justiça, querem pedir sua prisão preventiva para que ele fique preso até um eventual julgamento.

O ex-namorado e ex-sócio da advogada encontrada morta numa represa em Nazaré Paulista, no interior de São Paulo, nega o crime. Três dias após prestar seu quinto depoimento na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na capital paulista, depois de ter batido boca com o delegado Antonio de Olim, de deixar o prédio hostilizado pela população, e de sair de lá sem falar com a imprensa, ele recebeu o G1 nesta sexta-feira (23) no seu escritório e em sua casa em Guarulhos, na Grande São Paulo.

BO exibido por MizaelBO exibido por Mizael trata de apedrejamento
de carro de Mércia; segundo ele, pessoa tem de
ser investigada (Foto: Reprodução)

“Eu tenho a minha consciência tranquila que eu não matei Mércia e não matei ninguém. Eu não teria essa coragem”, declara Mizael. Apesar de acreditar que a investigação da polícia não possui elementos para que a Justiça decrete sua prisão preventiva, o advogado afirmou que, se isso ocorrer, pretende se entregar. “Se for decretada a prisão, eu vou cumprir e entraremos depois com todos os recursos possíveis.”

Quando chegou a ter a prisão temporária decretada pela Justiça, há quase duas semanas, Mizael não se entregou e chegou a ser considerado foragido. Com a revogação da prisão por um juiz, pôde voltar a circular pelas ruas, mas, mesmo assim, tem medo de ser agredido ou até morto. “Não tem sido fácil andar pelas ruas”, diz. “Não saio de casa sem colete à prova de balas. Recebi muitas ameaças.”

Mizael e o vigia Evandro Bezerra da Silva foram indiciados por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. O segurança também nega o crime. Apesar disso, o vigilante chegou a dizer à polícia que ciúmes levaram Mizael a matar Mércia na represa de Nazaré Paulista em 23 de maio, e que ele mesmo ajudou o advogado a fugir. Depois, disse que acusou Mizael e confessou ter participado do crime sob tortura, conforme carta publicada na segunda-feira (19) pelo G1. Atualmente, o segurança está preso temporariamente em um distrito policial em Guarulhos.

Após desaparecer da casa dos avós em Guarulhos em 23 de maio, Mércia foi achada morta no dia 11 de junho na represa. Um dia antes, seu carro, um Honda Fit, foi localizado submerso no local. Uma denúncia feita por um pescador levou bombeiros à região. O pescador afirmou à polícia ter visto um homem não identificado sair do carro antes de o veículo entrar na água. Disse ainda ter escutado gritos de mulher.

De acordo com o laudo do Instituto Médico Legal (IML), Mércia morreu afogada. Ela não sabia nadar. Antes do afogamento, aponta o laudo, ela levou um tiro que atingiu um braço e o queixo.

Eu digo a ela que sou inocente. Recentemente ela me mandou uma mensagem pelo celular dizendo que me ama"
Sobre a filha de nove anos que tem com a ex-mulher

Lembranças de Mércia
“Vocês são a primeira equipe de imprensa que entram aqui”, diz o advogado ao abrir as portas de sua residência e mostrar objetos, como uma camisa azul e um frasco de perfume que ganhou de Mércia durante o relacionamento de quatro anos, encerrado no final do ano passado. “Foi ela quem terminou. Eu aceitei. Continuamos a sair, só como paquera somente. Mas até hoje uso no pulso a correntinha de ouro que ela me deu para usar no pulso e esta carteira.”

Ele diz que foi Mércia quem desenhou parte da casa e decorou tudo. “O quadro da sala compramos juntos, mas foi ideia dela”, fala Mizael, que tem contado com a ajuda de parentes para manter a casa em ordem. “A empregada não veio mais. Acho que é por causa da acusação contra mim.”

Mizael pensa em se mudar após o fim do caso, “talvez para um apartamento.”

Relação com Mércia
Mizael nega as acusações da família de Mércia de que ele teve uma relação conturbada com a ex-namorada. “Eles falam isso porque não conheciam muito bem a filha que tinham, a irmã que tinham, a neta que tinham”, contesta. “A gente era um casal muito feliz.”

Afirma que o irmão de Mércia, Márcio Nakashima, era contra o namoro. “Inclusive ele já chegou a dar número de telefone da Mércia para amigos ligarem e cantarem a Mércia.” O G1 procurou Márcio para comentar o assunto, mas não o localizou.

Ligações telefônicas suspeitas
Mizael contesta também as ligações telefônicas apresentadas pela polícia. Fala que não foi ele quem ligou 40 vezes para Mércia, mas o inverso. Diz ainda que comprou um telefone com chip de outra pessoa por falta de opção na loja. De acordo com a polícia, Mizael fez isso para despistar a investigação e falar com o vigia Evandro Bezerra Silva, outro suspeito pela morte da advogada. Olim falou que os dois se falaram 16 vezes no dia do crime.

Embora a polícia tenha que provar que sou culpado, eu vou provar a minha inocência. Eu nunca atirei em ninguém enquanto estive na PM"
Sobre provar a inocência

O advogado rebate. Afirma que passou a procurar mais o vigilante porque ele era seu “funcionário”, fazia segurança para ele em postos e feiras, e estava recebendo reclamações do trabalho dele nestes bicos. “Cobrava o serviço, qualidade do serviço”, diz Mizael. “Agora, 16 vezes eu tenho certeza que não liguei.”

Bate boca com delegado no DHPP
“Aquele é meu jeito de falar”, diz, a respeito do quinto depoimento, no qual discutiu com o delegado Antonio de Olim, do DHPP. A imagem foi divulgada pelas emissoras de televisão. Mizael afirmou que foi por conta de algumas críticas que ele ouviu do policial em semanas anteriores. “Uma acusação gravíssima dessa [de assassinato], realmente, você fica um pouco tenso.”

Investigação
Mizael afirmou que o DHPP só tem focado a investigação nele e precisa apurar outros suspeitos. “Como por exemplo esse boletim de ocorrência que peguei na Polícia Militar ontem [quinta-feira, 22]. Se apedrejaram o carro dela dentro do condomínio do irmão... O cara para fazer isso, ele tem que ter ódio da pessoa. Por que, como você vai no meu carro, quebra vidro, quebra farol, risca lateral, joga pedra no capô? Já imaginou se você me encontrar naquele momento? O que você faz comigo?”.

“A prova está aqui, foi ela que fez no ano de 2009. O fato aconteceu no dia 28 de outubro e ela me procurou no dia 29, toda indignada, transtornada para fazer essa ocorrência”, diz Mizael sobre o Citroën que Mércia teve.

“O Honda Fit dela foi riscado também, na garagem do pai, onde o pai mora. O pai gastou R$ 1.500 com câmera exclusiva na vaga onde ficava o carro dele e dela. O prédio tem câmera, o condomínio todo tem câmeras, mas o pai gastou R$ 1.500 com câmeras, isso já esse ano”, declara.

Segundo Márcio Nakashima afirmou nesta tarde no DHPP, o carro de Mércia foi danificado por crianças que teriam brigado por causa de uma pipa.

Memória de Mércia
Sobre Mércia, diz que era uma pessoa que amou “muito”. “Eu nunca nem tive tempo de chorar ou de sentir a falta que a Mércia me faz”, fala Mizael, que pensou em deixar flores no seu túmulo, mas desistiu da ideia porque tem medo de ser hostilizado ou agredido por alguém. “Tenho medo de atos de vandalismo acontecerem comigo. Senti vontade de ir no velório, senti vontade de ir para o enterro.”

 

 

 

 

 

 

 

 
 
 

This free website was made using Yola.

No HTML skills required. Build your website in minutes.

Go to www.yola.com and sign up today!

Make a free website with Yola